O mito do  superávit  da  previdência

Recentemente ocorreu uma CPI que apontou a inexistência de déficit na Previdência, não sei baseada em que critérios, porque não me dei o trabalho de ler o relatório, que, em artigo da época, considerei-o inconsequente.

Sei que focaram nos devedores da Previdência. A necessidade inegável de cobrança desses débitos não autoriza a afirmar que ela ocorrerá na dimensão desejada, porque os principais devedores são empresas que já não existem mais. Além disso, em todos os Estados e municípios ocorre uma reduzida realização da dívida ativa e na União não seria diferente.

. O ingresso anual de recursos é  mínimo. E, mesmo que fosse cobrado um valor significativo, resolveria o problema no momento, mas as causas do déficit continuariam a existir. Não se pode confundir estoque com fluxo.

A Previdência Social apresentou em 2017 um déficit de R$ 268,8 bilhões, com um aumento nominal de 18,5% sobre o exercício anterior. Desse total, R$ 182,5 bilhões devem-se ao Regime Geral (INSS), sendo R$ 71,7 bilhões da dependência urbana e R$ 110,7 bilhões, da rural. Pasmem! Um crescimento nominal de 21,8%, para uma inflação em torno de 3%.

O Regime Próprio dos Servidores Federais  (RPPS) formou um déficit de R$ 86,3 bilhões, sendo R$ 48,7 bilhões dos servidores civis e R$ 37,7 bilhões dos militares.  O crescimento nominal foi de 11,9% sobre 2016..

Isso na União, porque em muitos Estados, então, a situação é insustentável.

Nesses déficits ocorre uma grande  injustiça, porque o RPPS é formado por pouco mais de um milhão de beneficiários e o  Regime Geral, por mais de 30 milhões.  No entanto, em termos financeiros, o que constitui a maior bomba é o INSS, cujo ritmo de crescimento da  despesa supera o do  PIB, enquanto o RPPS mantém a mesma relação com ele, sendo até declinante.

Uma das alegações  dos que negam  a ocorrência de déficit na Previdência  é a existência das contribuições destinadas à Seguridade Social (art. 195 da CF), só que elas se destinam não só à Previdência, mas também à Assistência Social e  à Saúde. O aumento  dos gastos com a Previdência está reduzindo os recursos das outras duas áreas, podendo inviabilizá-las num futuro não muito distante.

O déficit da Seguridade Social em 2016 foi de R$ 258,7 bilhões, reduzindo-se para R$ 167 bilhões quando a ele se somam as DRU (desvinculações da receita da União). Isso, no entanto, não modifica em nada o resultado global, porque esse mesmo valor precisa ser deduzido da receita  do Tesouro Nacional. O problema previdenciário não pode ser tratado como um problema contábil.

Como vimos, as DRU são inócuas, porque todo seu valor volta para a Seguridade e, ainda, tem que ser acrescido de R$ 167 bilhões do Tesouro Nacional,  para complementar suas despesas. Não sei porque elas existem!

Tomemos os valores pelos seus globais para facilitar o entendimento. A parte da carga tributária de 2016 arrecadada pela União foi R$ 1.384 bilhões, ou 68,3% do total nacional. Descontando-se desse valor as parcelas dos entes subnacionais e as contribuições para o Sistema “S”, FGTS e Salário-Educação, entre outras,  que não pertencem ao Governo Federal, restaram como receita líquida da União R$ 980 bilhões.

Dessa receita líquida, R$ 698 bilhões, ou 71,2%, pertencem à Seguridade Social, mas que não foram suficientes para suportar suas  despesas, que somaram R$ 872 bilhões, ou  89% da citada receita líquida.  No final, restaram apenas R$ 108,7 bilhões ou 11% da mesma base, para o atendimento de todos os demais encargos do Governo Federal, inclusive  para fazer investimentos e superávit primário. Ver gráfico, no final.

Por isso é que ocorreu um déficit primário de R$ 159,5 bilhões em 2016,  que, somado aos juros, ajudou a formar o expressivo déficit fiscal  de R$ 477,8 bilhões (7,6% do PIB), segundo a STN.  .Sem superávit, a dívida só cresce e, com ela, os juros,  que podem deixar insustentável a situação das contas públicas, na ausência de uma reforma da previdência.

Para ler o texto completo, inclusive com tabelas e gráficos, clique aqui.

 

 

Adicione um comentário