finanças públicas

  • Gastos em demasia, a grande causa

    Referindo-se ao excesso de gastos praticados pelos governos, Margareth Thatcher disse certa vez que “se o Estado gastar demais, ele só pode fazê-lo tomando da poupança ou cobrando mais tributos. E não adianta pensar que alguém irá pagar. Esse “alguém” é você. Não existe isso que chamam de dinheiro público. Existe apenas o dinheiro de […]

  • Impeachment do governador?

     

    Este texto foi escrito como introdução à apresentação que fiz em diversas palestras realizadas (cada uma com alguma modificação), que  pode ser acessada no LINK, em seu final, sob o título “FINANÇAS DO RS: DE ONDE VÊM OS DÉFICITS”.
    Sua divulgação neste blog  visa a contribuir para o debate,  no momento em que se fala […]

  • Renegociação da dívida em junho 2016 (retificação)

    No mês  passado publiquei neste espaço um texto sobre a renegociação da dívida,  que estava e, ainda, está em andamento.
     
    Nele informei que no curto prazo haveria uma alivio para as finanças estaduais, com o desconto obtido de R$ 4 bilhões, distribuído entre 2016 e 2018, o que estava correto.
     
    No entanto houve um equívoco […]

  • Magistério: O problema está no sistema

    Há muitas décadas, o magistério estadual reivindica melhoria em seus salários, sem, contudo, conseguir obtê-la. Em 1987, fez uma greve para que o básico para 20 horas fosse de 2,5 salários mínimos, básico esse (sem os multiplicadores)  que está atualmente em menos de um salário mínimo, embora esse último seja hoje muito maior.
     
    Deve ser […]

  • Suspensão da LRF estadual: um ato inconsequente

     
    Se você torturar os dados por tempo suficiente, eles confessam.
    Um economista britânico.

    Dentre as diversas razões que levam ao desequilíbrio orçamentário dos Estados a principal é a  despesa com pessoal excessiva, para o que a lei de responsabilidade fiscal –LRF ( Lei 101/2000)  estabeleceu um limite de 60% da receita corrente líquida (RCL), assim discriminado:

    Legislativo, incluindo […]

  • A necessária margem para investir

     

    No passado, enquanto havia margem para endividamento, receita inflacionária e patrimônio para vender, foram feitos grandes investimentos, mas sempre com altos déficits,  quando desconsideradas as receitas extras.
     
    Com o fim da inflação, foram utilizados até se esgotarem os recursos do caixa único e dos depósitos judiciais. Atualmente, a margem para  investir só pode ser buscada […]

  • Estados da Região Sul: PR é o que apresenta melhor situação financeira

     
    Este estudo analisa a situação financeira dos Estados da Região Sul, diante da exigência do Ministério da Fazenda, no Plano de Auxílio aos Estados e ao Distrito Federal (renegociação das dívidas), de que os entes beneficiados  não realizem  operações de crédito,  pelo dobro do período de vigência da carência.
     
     Considerando o período de carência o […]

  • Os juros compostos e a dívida

    Os juros no Brasil são abusivos, tanto no setor privado como no setor público, em todos os níveis. Entretanto, no setor público,  eles são mais  consequência do que  causa do endividamento e decorrem principalmente de nossa irresponsabilidade fiscal. Se não tivéssemos déficits sistemáticos, não teríamos dívidas e, em decorrência, os juros altos não existiriam.
     
    No […]